quinta-feira, 29 de julho de 2010

Samba de roda.



Tristeza não cabe aqui.
Nesse samba de roda, só alegria, coisa simples e vida de gente que mesmo sem ter motivo está feliz.

É assim que Roberta Sá e o Trio Madeira Brasil homenagearam Roque Ferreira no CD Quando o Canto é Reza.
Musicalidade simples e de classe nos instrumentos de corda e percussão.

Roque Ferreira é um marco no samba. Suas canções podem ser encontradas na voz de Maria Bethânia, Clara Nunes, Zeca Pagodinho, Dudu Nobre, Alcione entre outros nomes da nossa música popular brasileira.



Nascido no Recôncavo Baiano, faz questão de colocar em cada música a essência de suas origens.
Inspirado em filósofos como Nietzsche e Schopenhauer ele escreve sobre as tristezas que já viveu, tem vários livros publicados.

A importância da literatura de Roque na Bahia é tão importante quanto Guimarães Rosa foi para Minas. Além de resgatar as origens do Recôncavo ele exalta sempre a beleza da cultura do lugar.

Em 2004 lançou o CD Tem Samba no Mar, que é uma maravilha, gostoso de ouvir e em todo momento a sensação é de ser transportado para a rotina do Recôncavo.

Para ouvir: Roberta Sá e Trio Madeira Brasil "Quando o Canto é Reza"
10- Xiré

Para ter sempre na playlist: Roque Ferreira "Tem Samba no Mar"


Beijo grande minha gente!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

...

“O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e fria,
Aperta e daí afrouxa,
Sossega e depois desinquieta
O que ela quer da gente é coragem”

João Guimarães Rosa

terça-feira, 20 de julho de 2010

Cultive...



Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas se reorganizem,
os amigos devem ser amigos para sempre,
mesmo que não tenham nada em comum,
somente compartilhar as mesmas recordações.
Pois boas lembranças,
são marcantes, e o que é marcante nunca se esquece!
Uma grande amizade mesmo com o passar do tempo é cultivada assim!
Vinicius de Moraes








segunda-feira, 19 de julho de 2010

É na mesa que a música acontece!

A dica de hoje é de dar água na boca minha gente bonita!

Se você passar por algum barzinho em Cachoeiro e ver um grupo animado, em uma mesa bonita, com petiscos e tudo mais, pode saber. Você encontrou o pessoal do Projeto Feijoada.

Coisa linda o som minha gente. Misturam samba raiz, com MPB, samba-rock, composições próprias e muita alegria. Os meninos são de uma fineza com os instrumentos, demonstram seriedade, mas a descontração está sempre presente em cada música.

Já lançaram um CD (Cardápio) com 6 faixas, todas compostas pelo grupo. Download, aqui e aqui, de algumas músicas, só pra dar um gostinho...!

Esse ano, estão se preparando para mais um lançamento, que promete mais coisa boa por aí...

Algumas das novidades serão apresentadas no Álvares Cabral, na próxima sexta e sábado, na Festa do Botecão.


http://www.youtube.com/watch?v=RFuv7hn-j_Y Passa lá e confere o Clipe do single Cardápio.

Se você gostou da dica, segue os caras lá: https://twitter.com/projetofeijoada





Beijo Povo!

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Aniversário II

Desejo a você…
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Crônica de Rubem Braga
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Uma tarde amena
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.
(Carlos Drummond de Andrade)

Gente, que lindo isso! ganhar parabéns por poesia!... Brigada Karolzinha!

=)

Aniversário


ANIVERSÁRIO

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.
Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino,
O que fui --- ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui...
A que distância!...
(Nem o acho...)
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!
O que eu sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes...
O que eu sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas lágrimas),
O que eu sou hoje é terem vendido a casa,
É terem morrido todos,
É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio...

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...
Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!
Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,
Por uma viagem metafísica e carnal,
Com uma dualidade de eu para mim...
Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!
Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui...
A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça,
com mais copos,
O aparador com muitas coisas — doces, frutas o resto na sombra debaixo do alçado---,
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa, No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...

Pára, meu coração!
Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!
Hoje já não faço anos.
Duro.
Somam-se-me dias.
Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira!...

O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!...

Álvaro de Campos, 15-10-1929


Para marcar meu aniversário, recebi hoje, esse poesia/história de uma pessoa muito querida!

Adorei Villinevy! Obrigada!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Música: Força e Influência...


Como a música exerce uma influência sobre nós.
Não podemos questionar, que nas décadas de 40 a 80, nosso cenário político foi marcado por tristes momentos. E o papel da música, em alguns casos, foi o estupim da esperança para muitas pessoas. No Brasil, durante a ditadura, as pessoas se apegavam aos eventos musicais, festivais, e tinham as canções como hinos de vitória, momentos de fazer ouvida a voz daqueles que não tinham como falar.

Hoje eu acordei com a música Todos estão surdos, composta por Erasmo Carlos e Roberto Carlos em 1971. Não que eles fossem os libertários das massas na época, mas essa música tem uma letra muito forte e que para muitos, foi a filosofia de vida durante muito tempo. Meu avô mesmo, até hoje tem essa ideologia na cabeça por causa dessa música.

Mas, quantas e quantas músicas não serviram para levar força e esperança de dias melhores na nossa história?

Eu sinto falta dessa força no cenário musical atual. Temos muito nomes bons, gente boa, mas as músicas que arrebatam multidões para dar esperança ou motivar as pessoas... Estão perdidas ou sei lá, não ganham esse sopro de vida.

Então, minha dica de hoje para download é: Todos estão surdos - Roberto Carlos



Vou mandar um salve para a galera que tem visitado o blog, a força do Caetano Monteiro, Tózin, Gustavo Ribeiro e Flávio Borgneth. Obrigada povo!

+)



quarta-feira, 14 de julho de 2010

Pin Up...



Pin Up... Um estilo de fotografia que me encanta por ser delicado, por fazer com que o abservador tenha o desejo de ter uma dessas em casa. Rs...

Desde 1941 as Pin Ups fazem sucesso e não é a toa! Fotos produzidas para um estilo leve de erotismo, as modelos ou atrizes que compõe as fotos dão o toque arrebatador que a imagem precisa ter.

Na Segunda Guerra, as fotos de Betty Grable ficavam estampadas nos armários do soldados.

Conhecemos várias atrizes importantes de Hollywood através de suas imagens pin ups, sejam em fotografia ou ilustrações. Marilyn Monroe, Brigitte Bardot,Sophia Loren...


A Revista americana Yank da década de 40, fez um especial de capas com pin ups importantes na época o site é esse aqui: http://cbi-theater-2.home.comcast.net/~cbi-theater-2/yankcbi/yank_pinups.html


A uns meses atrás, quem interpretou o modelo pin up de ser foi a cantora Beyoncé, no clip Why don't you love me.
Beyoncé revelou ser uma ótima atriz e mandou muito bem no estilo.

É isso aí meu povo.







terça-feira, 13 de julho de 2010

Dia Internacional do Rock


Há 25 anos atrás, a vontade de ajudar as pessoas que passavam fome na Etiópia motivou o acontecimento do evento que marcou para sempre nosso 13 de julho, data que comemoramos o Dia Internacional do Rock.

Nomes como: Phill Collins, Queen, David Bowie, Black Sabbath, U2, BB King fizeram parte desse movimento e ajudaram a eternizar o Rock, não só pelo talento de cada um, mas pela vontade de fazer algo diferente para alguém.

O som "anárquico" caiu nas graças dos jovens e já era febre mundial, depois de Woodstock, o Live Aid mostrou a força que o Rock tinha e tem até hoje.

Eu não preciso ficar repetindo nomes importantes para a história do rock, por que sei que todos conhecem muito bem cada um ou pelo menos já ouviram falar.

Do Live Aid, nasceu a canção Do They Know It’s Christmas Time at Al, que também foi gravada em 2005 pelos participantes do Live 8, um evento pedindo que os países perdoassem as dívidas dos países participantes do G8, principalmente a África.

Aqui nesse link ( http://www.youtube.com/watch?v=qtPvl58ZM94&feature=related) você confere a versão de 2005 da Do They Know It's Christmas Tima at Al

O mais legal disso tudo é saber que pessoas que parecem estar mergulhadas em sua fama, também se preocupam com o que acontece no mundo, e promovem eventos como esse, para mostrar a realidade social de uma forma diferente. Alguns podem até dizer que é uma forma ridícula de mostrar isso, já que enquanto uns festejam, as coisas continuam acontecendo na Etiópia ou em qualquer outro lugar. Mas, na minha opnião, eles estão fazendo a parte deles, coisa que muitos de nós não fazemos e nos fechamos no nosso comodismo.



Para vocês... Um feliz dia internacional do rock.


sexta-feira, 9 de julho de 2010

Curumin

Ascendente espanhol/japonês, logo Luciano Nakata Albuquerque foi batizado de curumin, e é com esse nome que estourou em 2005.

Música Popular Brasileira, funk clássico, hip hop, samba, eletrônico, bossa nova e jazz jogados na panela resultaram em músicas de altíssima qualidade.
O que chama mais atenção é o som de percussão e bateria, contra-baixo e baixo sempre bem marcados e saltando da melodia. Coisa linda.


No ano passado, fez uma participação especial no Som Brasil especial Jorge Ben Jor, tocando a música Xica da Silva, irreverente e diferente, mostrou que tem talento e homenagear uma de suas maiores influências foi realmente emocionante.

Passa aqui pra ver os caras: http://sombrasil.globo.com/videos/v/xica-da-silva-curumim/1178675/#/Homenageados/Jorge Ben Jor/page/1


O mais recente trabalho é Japan Pop Show (download aqui) e as músicas abordam sempre temáticas sociais ou coisinhas bonitas.

Essa é a dica de hoje! Bom café!

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Tem que ser artista...

Como fazer um filme sem "cenário"? Lars von Trier responde como no filme Dogville.
Lançado em 2003, tem em seu elenco Nicole Kidman e Paul Bettany.
O intrigante do filme é que Lars von Trier não trabalha com os cenários hollywoodianos. Ele explora a capacidade de interpretação dos atores em cada segundo do filme.

Gravado dentro de um galpão com fundo infinito e somente alguns elementos e marcações no chão, a trama segue com a chegada de uma estranha, que está fugindo de gângsters, no pequeno vilarejo. É acolhida pela comunidade em troca dos serviços que deve prestar a população. Num dado momento, a comunidade começa exigir demais da moça e não sabem o perigo que correm.

Não existe trilha sonora, dia e noite, ou alguns momentos do filme, são marcados pela variação de luz. A atuação de cada ator, é impressionante.

Ficha Técnica:
Título original: Dogville
  • Gênero: Drama
  • Duração: 02 hs 57 min
  • Ano de lançamento:2003
  • Site oficial: http://www.dogville.dk/
  • Direção: Lars Von Trier
  • Roteiro: Lars Von Trier
  • Produção: Vibeke Windelov
  • Música:
  • Fotografia: Anthony Dod Mantle
  • Direção de arte:
  • Figurino:Manon Rasmussen
  • Edição:Molly Marlene Stensgard
  • Efeitos especiais:


  • video


    Eu vi, gostei e recomendo!

    quarta-feira, 7 de julho de 2010

    Direto do Gueto...



    A gente sabe que os negros nunca tiveram muitos privilégios desde que nos entendemos por gente. E para ganhar um espaço, nós, negros (sim! eu tenho mais em mim de negros do que brancos) sempre temos que mostrar algo a mais, vencer as barreiras e sobrepor a opinião alheia. Com Janelle Monáe, não foi diferente.

    Ela que é do gueto de Kansas City, classe média, encontrou na música a forma de lutar contra o preconceito e sustentar a família, já que a mãe era faxineira e o pai viciado em drogas.

    Sua música segue influência de James Brown, Michael Jackson, mas tem raízes fortes no hip hop, soul music, gospel... Não é uma artista pop ah lá MTV. É simples, ousada e que causa em suas apresentações.



    O primeiro EP (Metropolis - The Chase Suite) foi inspirado no filme Metropolis de Fritz Lang - 1927, que narra a história de uma cidade onde os trabalhadores, cansados de serem escravizados pelas máquinas e cansados da miséria resolvem reivindicar seus direitos.
    A continuação do EP Metropolis, veio a gravação do CD The ArchAndroid que estourou em um enorme sucesso e que abre o leque para todas as vertentes do POP sem perder suas raízes.

    Já foi indicada ao Grammy Americano nas categorias de melhor compositora, cantora, dançarina e performer.

    Vale a pena conferir o som da menina... Som explosivo, bem James Brown e bem futurista ao mesmo tempo.



    E como dica do nosso amigo Caetano Monteiro: Som gostoso, calmo e feliz. Começar o dia assim foi muito bom! www.myspace.com/momoproject



    video

    terça-feira, 6 de julho de 2010

    Na Telona...


    E hoje... Vamos com cinema.



    O filme produzido e dirigido por Terry Gilliam revela a história do interior da imaginação das pessoas, imaginação essa que é inspirada por Dr. Parnassus, ele, que tem o dom de conhecer o imaginário alheio. Dono de uma trupe de teatro de rua que oferece ao público a possibilidade de transpor os limites da imaginação através de um espelho mágico.
    Mas o que a trupe não sabe, incluindo sua filha Valentina, que para conseguir a imortalidade, Parnassus fez um pacto com o Diabo, que volta para cobrar a dívida.
    No meio do caminho, eles salvam o "suicida" Tony, que entra para o grupo na tentativa de fugir de seu passado e ajudar Parnassus a melhorar o espetáculo, e acaba conhecendo o fabuloso mundo de sua própria imaginação. Nela, ele sofre várias mudanças... No meio das descobertas de Tony, Parnassus recebe o ultimado do Diabo para o pagamento da dívida: a vida de Valentina.


    Psicodélico, louco, engraçado o filme é fabuloso...

    Ficha Técnica:
    Título Original: The Imaginarium of Dr. Parnassus
    Gênero: Aventura
    Duração: 02hs 02min
    Ano de lançamento: 2009
    Direção: Terry Gilliam
    Roteiro: Charles McKeown e Terry Gilliam
    Produção: Amy Gilliam, Samuel Hadida, Terry Gilliam e William Vince
    Fotografia: Nicola Pecorini
    Música: Jeff Danna e Mychael Danna
    Direção de Arte: Dan Hermansen e Denis Schnegg
    Figurino: Monique Prudhomme
    Edição: Mick Audsley
    Atores: Heath Ledger, Johnny Depp, Jude Law, Colin Farrell e Christopher Plummer.





    video

    segunda-feira, 5 de julho de 2010

    O Amor Não Existe...


    Não acredito que o amor exista, vou lhe explicar porque.

    O amor é um sentimento puro, limpo, branco, sem marca ou ganância. Acredito que ele só se manifeste no momento em que somos concebidos, crianças doces e delicadas, que merecem carinho e atenção. Mas quando crescemos, vamos aprendendo o que realmente é a vida e somos corrompidos ou manchados e o amor já não se manifesta mais.

    O amor é um sentimento divino, nós por acaso, somos alguma espécie de santidade para o fazê-lo manifestar? Não.

    Acredito que exista companheirismo, amizade, desejo, carne, atração, ódio, viver bem, segurança, paixão, tesão, sexo, vontade de estar perto, identificação, compaixão, mas amor... amor não!

    O amor que aprendemos vendo TV, lendo histórias, contos, poemas ou em imagens publicitárias é um amor corrompido por alguma coisa. Pelo sonho alheio, não idealizado por nós, experiência de outros. Outra pessoa já decidiu por nós.

    Quando começamos uma relação do zero (seja afetiva ou o que for) idealizamos coisas que nunca serão cumpridas. Imaginamos o príncipe no cavalo branco, mas quando o marco sai do zero, começa a se mover, percebemos que as coisas não são bem assim e o cavalo de branco, começa a ficar cinzento.

    Não sou fria e calculista, sou realista. Encontramos alguém ou algo, nos apaixonamos, sentimentos incontroláveis tomam posse de nós e já não dominamos a nós mesmos. Mas... quanto a amar, amor... Esse não nos compete sentir.
    Tay Barreto




    quinta-feira, 1 de julho de 2010

    Na Vitrola...




    E vamos de música mais uma vez...

    E hoje, na Vitrola: Vitrola de 3. (Foto: Bárbara Bueno)

    Não é uma banda comum, mistura de maracatu, tango, teatro, circo, poesia, dança, samba e beleza.

    São originais no que fazem, ousados como interpretam e parecem brincar de fazer música.
    O som dá uma vontade de viver, contagia.
    Carregam os traços das influências que a banda tem: Sérgio Sampaio, Cordel do Fogo Encantado, Chico Buarque, The Doors, Paulinho da Viola, Hinário Daimista, Conversa de Butiquim e experiências que eles vivem no dia-a-dia.


    Amanhã, (02/07/2010), eles se apresentam em Cachoeiro de Itapemirim com o novo espetáculo: Se Beber, Não Artista - O Espetáculo do Século.

    Vale a pena conferir o show dos meninos amanhã!

    Local: Bistrô. Av Cristiano Dias Lopes, 83/84, Gilberto Machado, Cachoeiro de Itapemirim.
    Horário: 21h
    Ingressos: R$ 10 (primeiro lote) e R$ 15 (segundo lote).
    À venda no Café Mourad’s, Dallas Vídeo Locadora e Pastelaria Mutantes.