quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Recorte do tempo. André Fachetti


Quando uma pessoa se propõe a fotografar, ela quer registrar aquilo que traduz um momento, um detalhe que seja a representação de um sentimento ou fazer correr na imagem a vida e uma história. Esse é o meu pensamento sobre a fotografia.
Dizem que a fotografia é um recorte do tempo. Isso é maluco, mas concordo com a premissa. Por mais que você tente recriar, reviver aquele momento, ele não vai existir nunca mais, está preso ali, original, simples e único.
Ao ver o trabalho de André Fachetti, você percebe que os recortes são feitos com cuidado, perspicácia e extrema singularidade.




"- Bem...vejamos por onde começar... ficha técnica, serve? 1, 2, 3...testando, som...

André Fachetti Lustosa, 33 anos, um cachoeirense que gosta dessa terra sabe-se lá
porque; filho da D.Regina e do Seu Magno, casado e realizado com a Nívia.

O que eu sou?

Tenho aprendido a duras penas que eu não "sou" advogado e professor
universitário. Isso eu "estou", com muito orgulho - e com paixão.

Quanto a ser...ser é diferente. "Ser" é muito mais... Então, pra dizer o que eu "sou"
ainda vai demorar um tempo, pra eu mesmo descobrir por inteiro. Por hora, posso
dizer que sou o cara que sorri com a boca, com os olhos e com o coração.

E a fotografia...a fotografia tem me ajudado a sorrir e a fazer os outros sorrirem.

Tenho iniciado a venda de minhas imagens no que se convencionou chamar de
padrão Fotografia FineArt, ou seja: imagens de alto desempenho estético, para
decoração, registros em museus, salões, bibliotecas, exposições, galerias, com
impressão em jato de tinta adequadas para ressaltar as qualidades da imagem,
buscando papéis próprios e de qualidade máxima (preferencialmente os "fibras de
algodão", importados) e montagem visando à maior durabilidade (qualidade museu,
com materiais de PH neutro).

E aí, o que temos no cardápio desse Café?

Encontro e Café: O que é a fotografia e fotografar para você?

Eu sempre fui apaixonado por ler e escrever. Aprendi a ler as histórias dos outros
e comecei a contar as minhas próprias histórias nas redações, nos poemas, nas
crônicas, nas conversas fartas. Minhas atuais profissões – advogado e professor
universitário – são o exercício da arte de narrar, de buscar as personagens e seus
detalhes, de mostrar um outro mundo, ou o outro lado de um mesmo mundo para
as pessoas... E aí, mesclar sentimento, experiências, realidades particulares ou
coletivas com a técnica própria para que isso alcance o efeito necessário.

É nisso que a fotografia, para mim, se encaixa: eu estou aprendendo a mudar de
formato na hora de ler histórias e na hora de contar histórias. A fotografia tem sido
minha outra forma de expressão, minha nova forma de narrativa.

No fim, não se trata "apenas" de conseguir uma imagem bela. Se eu conseguir isso,
já é ótimo, mas o climax é conseguir lhe contar uma história, seja minha, seja de
outras pessoas, seja uma "história da História"; algumas vezes com mais alegria,
outras com mais crueza da realidade...

O ato de fotografar, de fazer o "clique", em si, é um instante que reúne o prazer,
a realização, a percepção de que a história está ocorrendo e eu tenho que saber
apreendê-la – mas traz todo o repertório de técnica sem o qual simplesmente não se
consegue transmitir uma mensagem.

Porque fotografar, para quem gosta mesmo, não é só apertar o botãozinho do
obturador.

E claro que tudo isso é fruto das minhas experiências anteriores, da minha criação,
da minha história individual. Outros fotógrafos, profissionais ou não, terão sua
maneira de caracterizar a fotografia e o ato fotográfico. Para mim, são narrativas,
num formato de luz.


EeC: Quando você está fotografando, você pensa no que o observador
vai sentir ao ver aquele momento registrado por você?

Delicado isso, hein? A linha entre fazer para transmitir uma mensagem ao outro e
fazer simplesmente para "arrancar elogios" ou "agradar" o outro é tênue. Essa última
não é minha intenção.

Eu diria que não faço para "agradar" o observador, não faço simplesmente
para tornar as coisas "fáceis" para ele (às vezes, temos mesmo que fazer para
incomodar). Mas é claro que eu tento transmitir a mensagem para alguém, e assim,
tenho que aprender a olhar não só com os meus olhos, mas também com os olhos
de quem vai me "ler".

Como isso vai ser visto, sentido, não dá para imaginar. Eu mesmo adoro certas
imagens que, para minha própria esposa, que às vezes estava ao meu lado na
hora da foto, não dizem muito; outras fotos eu acho boas e só, enquanto para meus
amigos, para outros fotógrafos, para compradores das minhas imagens, são grandes
fotos.

É interessante essa pergunta, porque me leva a lembrar de várias lições que já tive
sobre a arte da fotografia, e que se encaixam bem nesse momento:

O fotógrafo não apenas "retrata a realidade", ou "eterniza um momento fugaz".
Quando fotografa, o fotógrafo faz um corte na cena – o que você vê no quadro
clicado é parte de um cenário muito maior, um contexto onde o fotógrafo foi
trabalhando por inclusão (permitindo enquadrar certos elementos) e por exclusão
(de modo que certas coisas fiquem fora da imagem final).



É nesse espacinho que ele vai construir a sua narrativa – que pode retratar a
realidade ou até mesmo falseá-la, transmudá-la. Cabe a ele saber colocar mais
ou menos elementos para atingir seus objetivos. Igual a um texto, com mais ou
menos palavras – mas que vai bater no coração do outro segundo as experiências
particulares de cada um.

Já parou para pensar quantas histórias a foto "Menino com Parelha de Bois"* conta?
Já pensou quantas leituras podem surgir? Já pensou como essa "história" interaje
com as suas experiências? E nas experiências do outro, como isso funciona?

* "Menino com Parelha de Bois" foi finalista do Concurso Internacional de Fotografia Documental "Los Trabajos y Los Dias", em Medellin, Colombia-2011. A foto é de 2010, realizada em Venda Nova do Imigrante-ES.

EeC: Ao ver suas fotografias, percebo que elas estão carregadas de detalhes
muito profundos e ricos, como o olhar do homem na fotografia “Folia de um
Rei”, ou o menino com o carro de boi ("Menino com Parelha de Bois"). Quando
fotografa, como você vê que deve registrar esses detalhes?

Não vou mentir: às vezes, aparece na cena uma aura que a gente não imaginava,
uma beleza que a gente não viu no visor na hora da foto.



Mas a fotografia é consciência; portanto, sim: quando aparece um sorriso altamente
simbólico, eu desejei captá-lo. Quando o olhar do menino atinge o meu espectador,
eu desejei aquele olhar; com as minhas experiências, com a minha leitura particular,
mas eu o desejei. Assim também com as paisagens, com as formas e linhas
abstratas... Os "detalhes", então, podem ser o ponto central da fotografia ou um
elemento que coopera para o todo, depende da cena, do ambiente, até do meu
estado de espírito.



Um dos monstros sagrados da fotografia mundial, o francês Henry Cartier-
Bresson (1908-2004 - http://www.henricartierbresson.org), desenvolvedor do
fotojornalismo, cunhou a expressão "instante decisivo" ou "momento decisivo". No
começo, eu achava que isso era um momento mágico, como se a Lua, Terra, Sol e
Marte entrassem em conjunção astral e ...tchan! A foto mágica surgisse. Tolice:

Com o tempo – praticando e estudando – o próprio termo de Bresson foi se
explicando. Na verdade, agora vejo (e assim também muitos estudiosos descrevem)
que esse momento especial é "pré"reconhecido pelo fotógrafo, com o passar do
tempo, a prática, a experiência: pode ser uma questão de segundos, ou de horas,
mas o bom fotógrafo sabe que a cena vai ser montada na frente dele, sabe que a
criança vai correr, o ancião vai sorrir, a fumaça vai subir na hora e no local certo – e
a gente precisa esperar, antever, pois esse é o "instante decisivo", que vai capturar o
detalhe que importa na narrativa visual.

EeC: O que significa registrar o cotidiano de um determinado lugar para você?

Primeiro, a insegurança, o medo, o frio na barriga de ser capaz ou não de encontrar
a essência – ou "uma" essência. Depois, um sentimento de gratidão a Deus, por
me permitir a experiência única de fotografar; gratidão às pessoas que construíram
o local, construíram a magia do local; às pessoas que me permitem encará-las por
detrás de uma objetiva, entrando em seus segredos... alguns povos ainda acreditam
que a câmera fotográfica lhes toma a alma, certo?



Não quero aprisionar nenhuma alma, juro. Mas se eu puder levá-las para passear lá
em casa...

EeC: No Brasil, é comum falar-se mas incomum de se ver os famosos
fotoclubes. Como é para você participar de um? O que busca registrar nos
encontros e como vê o trabalho do fotoclube que participa, no Estado?

"Comum e incomum" foi boa... eu diria que fotoclubes e outros grupos que reúnem
fotógrafos pelo prazer de fotografar são igual OVNI´s: todo mundo já viu um, menos
a gente mesmo.

Eu participo do Grupo Cliques – Grupo de Fotografia Capixaba
(www.grupocliques.com.br) que tem "sede" em Vitória (a maior parte dos integrantes
é de lá), mas conta com pessoas de quase todo o Estado, e se propõem a, uma
vez por mês, visitar uma cidade do Espírito Santo para conhecer e registrar, além
da partilha diária que fazemos sobre fotografia por email (lista de discussão). É
espetacular ver colegas com celular, câmeras compactas, reflex profissionais e
toda a sorte de equipamentos – incluindo as famosas gambiarras – fotografando. Já
fomos matéria do Programa Em Movimento da TV Gazeta.

A tendência é que os grupos de fotógrafos ganhem mais visibilidade a cada dia.
A facilidade da realização da fotografia hoje (pegue o seu celular e ele tem uma
camera, sem dúvida nenhuma), com a integração das pessoas de interesses
semelhantes pela internet...tudo isso vai popularizar esses clubes, grupos.

Há pouco tempo, a imagem era de velhinhos que se reuniam com centenas de
negativos e câmeras ultrapassadas dentro de uma sala sombria. Não! Nunca foi isso
e, hoje, a imagem é ainda mais solar.

Por isso, não se pode esquecer: fotografia se faz saindo do sofá, levantando detrás
do computador e colocando o pé na estrada. Grupos de internet, orkut, FB, Twitter,
podem ser o começo. Mas fotografia é sol na cabeça, pé no chão, diálogo, amizade,
partilha (isso é o ponto alto dos fotoclubes), acertos e erros, fotos boas e muitas,
muitas fotos ruins pra aprender.

EeC: Quando é o momento certo para dar o clique?

E existe um? Do ponto de vista do "dedo nervoso" (a gente chama assim o povo
que dispara igual a uma metralhadora...), não se pode perder nem uma virada de
cabeça, nem uma mão no ar, nenhum voo, nenhum detalhe. Para outros mais
céticos, cada disparo tem que gerar uma foto perfeita, na fotometria, no foco, na
disposição dos elementos...


Não sou de nenhum desses dois grupos extremistas: a foto se constrói, assim como
se constrói uma redação, ou essas perguntas que vocês está me fazendo... nada
impede que depois de uma frase, você pense e faça melhor. Nada impede que
depois de um clique na horizontal você perceba que a imagem pede um clique na
vertical. Com o tempo, isso fica mais instintivo.

EeC: Quando você está em viagem, os registros são muito ricos, como as
luzes, detalhes muitas vezes que passam despercebidos quando são vistos
ao vivo. Você se doa para achar a expressão máxima do lugar, e conseguimos
sentir o seu encantamento por estar ali. Como é isto para você?

Primeiro, obrigado pela leitura que você fez. Uma grande alegria é exatamente ouvir
as pessoas dizerem: "- Mas eu nunca vi isso ali!", ou "- Isso que é simples ficou lindo
na sua imagem".

E uma das coisas que eu digo é, simplesmente: "-Obrigado por me permitir enxergar
certas coisas por você".



No fim, tudo se resume em contar histórias, viu? Retratar um lugar – e "o lugar" não
interessa: pode ser a margem do Rio Itapemirim, pode ser Paris às margens do Rio
Sena – é, obrigatoriamente, fazer parte dessa história.

Nos lugares, sejam viagens, andanças, shows, reuniões sociais, mesmo dentro
do estúdio, você tem que querer fazer parte daquilo. É engraçado, porque eu, que
estou apenas no começo, ainda consigo sentir e perceber o impacto dos primeiros
minutos de reconhecimento do espaço, das pessoas, do clima, para só então me

sentir à vontade para os registros. Às vezes, são horas. Quando estive em Paris, no
começo de 2011, achei que aquele lugar fosse me engolir! Então, demorei mais pra
me sentir integrado. Em breve vou postar um texto que chamei de "Paris: a cidade
que nos engole".

Com o tempo, os mais experientes já fazem a leitura imediata das circunstâncias.
Mas para mim, sempre será uma experiência de absoluta imersão.

EeC: Como você se sente quando vê seu trabalho sendo reconhecido de
alguma forma?

Os mais ácidos costumam brincar com o ego dos fotógrafos. Chega a ser maior do
que o dos advogados!

Brincadeira à parte, ser reconhecido não é receber elogios, parabéns e coisas que
os valha. Não esnobo um elogio, óbvio. Faz bem, é gostoso e importante.

Mas "ser reconhecido" é o melhor: ver que alguém olhou grande parte do seu
material, percebeu a alma do fotógrafo ali, encontrou a si mesmo nos meus olhares.

Comprar minhas imagens é parte de um movimento, uma consequência. Eu quero
que as minhas imagens estejam nas casas, nos museus, nos salões, nas revistas,
internet, mas eu quero que elas representem a minha forma de expressão. É um
grito que eu quero que seja reverberado, e não se trata de prender minhas imagens
em molduras bonitas, impressas em papéis que vão durar 150 anos..

Eu quero ( todos nós queremos) poder ser ouvido. Escrevendo com a luz.

Ser reconhecido é poder responder a uma entrevista assim, tranquilo e com sorriso
no canto da boca, porque as minhas histórias visuais mexeram com as histórias da
Taynara Barreto. E espero que mexam com os leitores do Encontro e Café.

Valeu!




16 comentários:

  1. além de tudo que está nas fotos ainda por cima tem as palavras mais bonitas pra responder as perguntas.
    a foto da beira rio é uma dessas que posso dizer "- Mas eu nunca vi isso ali!". passar ali todo dia é uma coisa, enxergar aquele recorte do todo através dos olhos do fotógrafo é outra história, é lindo.
    a foto da torre eiffel é das que eu já vi, sei lá, na vida a mais linda. eu nunca me canso olhar e parece que cada vez que eu olho eu vejo uma coisa diferente.

    adorei tudo aqui. tô amando esse blog hein!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Daniela, fico muito feliz em ler um comentário tão bacana, tanto sobre o trabalho do André que não precisa falar mais nada e pelo elogio ao espaço. Continua lendo, seguindo e se tiver algo pra compartilhar conosco, está convidada a fazer parte desse café. (:

    ResponderExcluir
  3. essa entrevista serviu pra gente descobrir um segredo do André: poesias e crônicas! já que ele comentou sobre isso, acho que não custa nada nos presentear com algum texto! pense nisso, fotógrafo!

    ResponderExcluir
  4. é verdade, já sabe pra onde enviar. HASUIAHSIUAS

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pela oportunidade:
    delicada mas avassaladora como as fases da lua e as mudanças da maré...

    ResponderExcluir
  6. O André é um orgulho pra mim. Um cara que praticamente vi nascer na fotografia e hoje fala com tanta propriedade.

    Parabéns a entrevistadora pelo blog e ao entrevistado pelo belo trabalho que vem fazendo.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns André!!! Muito rica a sua fala e seu trabalho. Abraço

    ResponderExcluir
  8. Ainda muito novo no grupo, mas não menos amante da fotografia, quero parabenizar o André pelo olhar apurado e perfeccionista, adimiro seu trabalho. Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Legal André, gostei do modo de pensar e das imagens. Belíssimas!!

    ResponderExcluir
  10. Muito bom! Já não está dando para segurar o que está aí dentro, é questao de tempo...
    Sucesso!

    abração

    ResponderExcluir
  11. Quero agradecer, em nome do André e do Encontro e Café, pelo carinho de todo mundo! =D

    ResponderExcluir
  12. Parabéns André!
    Não conhecia seu trabalho a Fundo, somente superficialmente através do grupo Cliques.
    Muito bacana.

    ResponderExcluir
  13. Eu já dei um abraço nesse cara! Já conversei com ele!

    (Tietagem mode on! hhehe )

    Sucesso, meu querido!

    Abraços do Noga.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns, André, você merece!!!

    ResponderExcluir